18 de janeiro de 2010

“Ninguém se pode aproximar de ti, que ficas infinitamente longe. Por isso ninguém te alcança, a não ser que tu próprio te ofereças. Mas como hás-de oferecer-te a mim, se não me ofereces primeiro a pessoa que eu sou?

No silêncio da contemplação respondes-me, Senhor, no fundo do meu coração.

E dizes: Sê tu mesmo, e eu serei teu!”

(Nicolau de Cusa)

ó Deus,
sê-me-te

não abandones este
que não se é
orienta-o na procura
em que se perde

a mão Senhor
não ma largues
nunca
essa que te larga
na ânsia de na areia
se agarrar

meu Senhor e meu Deus
faz-te de mim sempre
faz-me de ti sempre

abraça-me Senhor
e não me largues jamais
eu que te largo Senhor
eu que te largo sempre

ámen