4 de fevereiro de 2008

Pai e Amigo

Quantas vezes não me salvas, Senhor,
Quando o meu coração,
Qual pedaço de algodão
A desprender-se do ramo,
Contrito, vai subindo a Ti
A suplicar-Te o perdão?

Quantas vezes não me escutas Tu, Senhor,
Quando a minha alma já cansada,
Sem esperar a radiosa chegada da lua
Faz da Tua mão almofada, a melhor amiga,
Conselheira, a quem se abre em confissão?

És Pai e Amigo dos pobres e aflitos, Senhor.
Dos puros e simples que em Ti tudo esperam
A quem chamas pelos próprios nomes
Com a mesma ternura com que teces uma flor.
A cada um dás bênçãos, graças e dons.
E, porque só Tu és Bom, sendo O Mestre, serves.

Lês-nos o coração, sabes-nos arrependidos,
Sequiosos de paz, bem, consolação e amor.
Far-Te-ás Bonança, Mendigo, Irmão na dor
E por piedade nos livrarás do mal e nos resgatarás
Dando-nos a beber da verdadeira Fonte.
Levantas-nos e nos dás a Vida em Abundância.

A Tua vontade seja feita – fica comigo
Ilumina, santifica-me, afasta o perigo!

Torna-me dócil à Tua vontade
Seja tristeza ou felicidade.
Deus de Bondade
Deus compaixão
Deus Verdade
Deus Sim
Deus sempre
Sempre amor
Sempre em mim
No meu coração.

Ámen.

2 comentários:

joaquim disse...

Amen! Amen! Amen!

Belissima oração...

Amelia Elizete Moura Teixeira disse...

Paz no mundo Senhor Deus do Universo.Assim seja.